quarta-feira, 27 de junho de 2018

SOBRE O NOVO GMAIL


PARA CONHECERMOS OS AMIGOS É NECESSÁRIO PASSAR PELO SUCESSO E PELA DESGRAÇA. NO SUCESSO, VERIFICAMOS A QUANTIDADE E, NA DESGRAÇA, A QUALIDADE.

O Gmail — serviço de email do Google — foi lançado em 2004. Seu principal atrativo, quando os principais concorrentes (Yahoo! Mail e Hotmail e outros mais) ofereciam miseráveis 5 MB de espaço para armazenamento de mensagens, eram as caixas postais eram de 1 GB.

Num primeiro momento, por limitações de infraestrutura, o serviço foi limitado 1000 usuários — selecionados entre pessoas ligadas ao mundo da tecnologia e da imprensa, que logo puderam estender o benefício a familiares. Mais adiante, embora ainda fosse preciso receber um convite para ingressar na plataforma, a novidade começou a se popularizar entre internautas de todo o mundo, que, juntamente com a conta, ganhavam o direito de convidar um número predefinido de amigos e conhecidos (eu mesmo distribuí centenas de convites a leitores da saudosa Coleção Guia Fácil Informática, mas isso é outra conversa).

Conforme o número de usuários foi crescendo, a plataforma se tornou um laboratório para testar e criar novos produtos. Em 2007, a primeira versão do Google Docs passou a permitir edição remota de arquivos e trabalho colaborativo, via internet, de mais de uma pessoa num mesmo documento; mais adiante, o Gmail se tornaria parte integrante de outras plataformas da desenvolvedora, como o Google Drive, YouTube, Google+ etc.

Recentemente, o Gmail ganhou uma edição repaginada. Além do design renovado, notam-se diversos recursos inovadores que propiciam ganhos significativos de produtividade e privacidade. Nesta postagem e na próxima, veremos os principais.

As mudanças começam pela Caixa de entrada: quando uma mensagem ou conversa contiver um anexo, podemos visualizar um preview do conteúdo ou acessá-lo sem precisar navegar pela lista de mensagens. Outra novidade digna de nota são a função “soneca”, que permite manter a caixa de entrada limpa (detalhes mais adiante), e o acesso facilitado a outras ferramentas do Google, como Calendar, Keep e Tasks. Mas o recurso que mais chama a atenção é o modo confidencial: se o aplicarmos a uma de nossas conversas e o destinatário não poderá reencaminhar, copiar, baixar ou imprimir a mensagem recebida — claro que sempre se pode capturar a tela via Print Screen ou tirar uma foto com o smartphone, mas não deixa de ser uma proteção a mais. Além disso, pode-se configurar uma data de expiração para os emails.

Sabe aquele painel que fica à esquerda da tela, com todos os marcadores e categorias? Pois bem, agora é fácil ocultá-lo. Mediante um clique no ícone do menu de três linhas (também conhecido como “menu hambúrguer”) no canto superior esquerdo da tela, o painel fica reduzido a uma lista restrita de ícones. Para exibi-lo novamente, basta pousar o ponteiro do mouse sobre ele.

Por padrão, logo abaixo da linha de assunto o novo Gmail exibe blocos para cada arquivo associado a uma mensagem; basta clicar num bloco para abrir ou visualizar o conteúdo do arquivo e acessar diretamente as informações necessárias. A desvantagem é que, agora, os emails com anexos parecem maiores, porque as linhas ficam mais “evidenciadas”. Todavia, quem gostar da novidade — e não se importar de perder o acesso ao anexo com apenas um clique — pode desativar os ícones clicando no ícone da engrenagem, no canto superior direito da janela, e selecionando “Exibir densidade”.

Observação: Mude a visualização de “Padrão” para “Confortável” e o Gmail retornará ao modo antigo de indicar anexos (com o ícone do clipe de papel à direita da linha de mensagem). Para uma caixa de entrada com menos preenchimento e informações mais densas, experimente a visualização “Compacta”, acessível via menu Densidade de exibição.

Amanhã a gente continua.

Visite minhas comunidades na Rede .Link:
Postar um comentário