segunda-feira, 11 de julho de 2016

SMARTPHONES ― MEMÓRIA INTERNA, SD CARDS E AFINS (3ª PARTE)



POR ESTAR ACONTECENDO EM SUA MENTE, ALGUMA COISA DEIXA DE SER REAL?

Vimos no post anterior que, embora não seja um remédio para todos os males, os SD Cards podem nos ser úteis quando o aparelho tem pouca memória interna, principalmente quando somos avessos a apagar fotos, vídeos, emails, mensagens de texto e outros arquivos, cujo acúmulo acarreta travamentos e outros incidentes tão aborrecidos quanto. Eles estão disponíveis em diversas marcas, modelos e formatos, com capacidades que chegam a 256 GB. Mas 32 GB são mais que suficientes para guardar fotos, vídeos, mensagens e demais arquivos pessoais. Além disso, de nada adianta comprar cartão “gigante” se o aparelho não for capaz de gerenciar seu espaço (confira essa especificação no manual do usuário ou no site do fabricante).

Depois de definir a capacidade que melhor lhe atende, faça uma pesquisa de preços online, mas, se possível, compre o cartão em lojas de suprimentos para informática regularmente estabelecidas, hipermercados e grandes magazines. Existe muita falsificação por aí, e nem sempre é fácil separar o joio do trigo. Para não levar gato por lebre, fuja de ofertas mirabolantes, com preços muito abaixo dos praticados no mercado formal. E se o produto não estiver na embalagem original, ou se apresentar a marca e demais informações borradas e sem código de barras, esqueça.

A velocidade também merece atenção, notadamente de quem costuma gravar vídeos com o celular. Um cartão “lento” pode congelar a gravação após alguns segundos ― isso se o aplicativo não fechar repentinamente ou se o telefone não travar completamente, inutilizando tudo que foi gravado até aquele momento.

De modo geral, os SD Cards se dividem em duas categorias: SDHC e SDXC. A primeira grava de 4 GB a 32 GB, e a segunda, de 64 GB a 2T B (embora seja difícil encontrar modelos com mais de 128 GB no mercado formal). A classe define a velocidade de transferência ― quanto maior for a classe, mais veloz será a memória (veja detalhes na ilustração desta postagem, que eu obtive no site VIDEOHERO). Note que esse dado exprime a velocidade “mínima”; em alguns modelos de classe 10, por exemplo, as velocidades ficam entre 60 MBps e 95 MBps.

Observação: Essas informações normalmente vêm impressas no próprio cartão, que, em alguns casos, trazem também um “x” (como nos antigos CDs). Cada “x” corresponde a 150 KBps; portanto, um cartão com taxa de 633x, como o da direita na nossa ilustração, é capaz de transferir aproximadamente 100 MBps. Aliás, se você tiver um cartão identificado simplesmente com o logo SD, é melhor jogá-lo fora ― esse formato está obsoleto e, além da péssima performance, não armazena mais que 2 GB de dados.

Depois de instalar o cartãozinho, veja se é possível mover para ele seus aplicativos e demais arquivos volumosos, bem como configurá-lo como destino padrão de fotos, vídeos, mensagens de WhatsApp, etc. No caso de vídeos e fotos, por exemplo, que são consumidores vorazes de espaço, basta abrir o aplicativo de câmera, ir em configurações > armazenamento e selecionar algo como SD externo ou Cartão de memória SD.

Resolvido o problema da memória interna, voltemos à RAM, cuja quantidade miserável (disponibilizada pela maioria dos aparelhos de entrada de linha) costuma ser a principal causa de engasgos e travamentos. Aliás, como eu disse no post que abre esta sequência, o ideal seria escolher o smartphone com a maior quantidade de RAM que o dinheiro permitir comprar, ou, no mínimo, fugir de modelos com menos 1 GB de memória física.

Amanhã a gente conclui. Abraços e até lá.

2 comentários:

Martha disse...

Oi Fernando
Excelente post!!!
Não sabia nada disso...
Nunca usei um SD Cards...
Procuro deletar o máximo possível, deixando só o necessário.
Bjs e obrigada sempre!!!!

Fernando Melis disse...

Oi, Martha.
Experimente. Você nada tem a perder (um cartão de 64 GB custa menos que uma pizza) e muito a ganhar. Mesmo que não possa migrar seus Apps para ele, você poderá configurá-lo como padrão para salvar fotos, vídeos e outros arquivos pesados que costuma criar, o que já paga a pena. Foi isso que eu fiz no meu LG, e os resultados foram satisfatórios, mesmo considerando que não sou de criar clipes de vídeo nem tirar fotos a torto e a direito. Enfim, como diz o ditado, o que abunda não excede.
Beijos e até mais ler.