quarta-feira, 6 de junho de 2012

PAINT do Windows 7

Para inverter, alongar, recortar e redimensionar imagens, usar o caro Adobe Photoshop – responsável por acentuar curvas e corrigir imperfeições de nove entre dez beldades que povoam as páginas das revistas masculinas – seria o mesmo matar mosquitos com uma escopeta. Para as necessidades elementares de edição inerentes aos usuários domésticos comuns, o Paint do Windows já está de bom tamanho.

ObservaçãoMesmo repaginado em sua nova versão, o editor de imagens que acompanha o Seven  fica devendo diversos recursos que você pode encontrar noPaint.net, por exemplo, que é gratuito e tem interface em português. Já para quem raramente edita imagens, o melhor é recorrer a serviços como o Foto Flexer e o Picnik, que dispensam instalação e são fáceis de usar.

Paint foi lançado em 1981 com o nome de Paintbrush, e continua presente nas edições mais recentes do Windows. Ele funciona como um bloco de desenho digital onde é possível criar e editar imagens com ferramentas como lápis, pincel, balde de tinta, conta-gotas, lupa, borracha, e por aí vai.

ObservaçãoNote que o Paint se sai melhor na criação de desenhos ou figuras, embora permita retrabalhar fotos e imagens "prontas" (que podem ser redimensionadas, giradas, invertidas, recortadas, mescladas, alongadas, e daí por diante).  Conforme for, a gente volta a esse assunto numa nova postagem, quando então veremos em detalhes os recursos desse simpático programinha.

A versão do Paint que vinha com o XP era “simplória”, mas mais fácil de usar do que a atual; se você quiser ressuscitá-la no Seven, crie uma pasta no diretório C: e copie nela o arquivo mspaint.exe. Já se você ainda usa o XP e quer “emular” os recursos do novo Paint, baixe e instale o Paint Ribbon.
Era isso, pessoal. Para quem tiver interesse em conhecer melhor as ferramentas e recursos do Paint, a própria Microsoft oferece um tutorial detalhado (clique aqui para acessá-lo).

Bom feriado a todos e até sexta-feira, se Deus quiser.
Postar um comentário