quinta-feira, 28 de junho de 2012

USB, PEDRIVES e afins


As facilidades da interface USB, combinadas com o progressivo barateamento das memórias flash, fizerem dos pendrives a opção primária para armazenamento externo, backup e transporte de dados.
Na pré-história dos PCs, adicionar um novo componente de hardware exigia intrincadas configurações de endereços IRQ e DMA que deixavam de cabelos em pé até os usuários mais experientes. Mais adiante, o Plug and Play (“conecte e use”, numa tradução livre) facilitou sobremaneira esse procedimento, mas o “pulo do gato” se deu mesmo com o advento do padrão USB: além de permitir a conexão “a quente” de até 127 periféricos por porta, essa interface oferece taxas de transferência bem superiores às das (hoje) jurássicas portas serial e paralela e é capaz de alimentar carregadores, luzes, micro-ventiladores, aquecedores de xícaras de café e até pequenos refrigeradores para latinhas de cerveja ou refrigerante.

Observação: O USB 2.0 é quarenta vezes mais veloz que a versão 1.1 e continua sendo amplamente utilizado, embora PCs de última geração já disponibilizem o padrão 3.0, que alcança respeitáveis 4,8 Gbps e é capaz de fornecer energia para dispositivos que consomem até 0,9 Ampères (quase o dobro da capacidade da versão anterior).

Então, vamos combinar: antes de desconectar um pendrive – ou HD externo, celular, smartphone, etc. –, dê um clique direito no ícone respectivo (na Área de Notificação) selecione a opção Ejetar (geralmente seguida pelo nome do drive externo) e aguarde a mensagem de que O Hardware pode ser removido com Segurança. Para os mais “afoitos”, vale lembrar que é possível pular essa etapa configurando adequadamente o modo de gravação dos dados: em Meu Computador, dê um clique direito sobre o ícone que representa o drive em questão, clique em Propriedades e, na aba Hardware, selecione o dispositivo, clique no botão Propriedades e, em Diretivas, marque a opção Otimizar para remoção rápida.


Observação: Nem sempre é fácil saber quando o sistema (ou algum aplicativo) está acessando um pendrive. Se o seu dispositivo contar com um LED, jamais o desconecte do PC enquanto a luzinha estiver piscando.

Há casos em que o Windows não concede “alvará de soltura” e exibe uma mensagem do tipo Este dispositivo está sendo usado no momento. Feche os programas ou janelas que possam estar usando o dispositivo e tente novamente. Nessa situação, feche quaisquer arquivos que possam estar acessando arquivos no dispositivo USB ou, melhor ainda, encerre os respectivos aplicativos (via Barra de Tarefas, Área de Notificação ou Gerenciador de Tarefas). Isso geralmente permite ejetar o pendrive por software e removê-lo fisicamente sem maiores dificuldades.
Se nem assim funcionar, desligue o computador e desconecte com segurança o dispositivo rebelde, ou então baixe e instale o freeware Unlocker (para mais informações e download, clique aqui).


Observação: Outra excelente opção para dominar processos ou programas insubmissos é o SuperF4: depois de instalá-lo, basta digitar Ctrl+Alt+F4 – ou pressionar a tecla com o logo do Windows combinada com F4 e levar o ícone da caveirinha com duas tíbias cruzadas (como nas bandeiras dos piratas) até a janela do programa, dar um clique e pronto: ele será encerrado no ato, esteja travado ou não.

Um ótimo dia a todos e até a próxima.
Postar um comentário