quinta-feira, 1 de agosto de 2013

DICAS SOBRE A BATERIA DO SEU CELULAR, SMARTPHONE, TABLET e NOTEBOOK


Casamento: O primeiro ano é o mais difícil; os demais são insuportáveis.

Enquanto a autonomia das baterias cresce em progressão aritmética, os recursos e funções dos gadgets aumentam exponencialmente, desafiando os desenvolvedores a encontrar maneiras de manter seus produtos funcionando longe da tomada por pelo menos um dia inteiro. Então, para não ficar na mão numa hora de necessidade, não custa lembrar que:
  •        Baterias de íons de lítio não estão sujeitas ao “efeito memória”, de modo que você pode recarregá-las total ou parcialmente quando bem entender. No entanto, há quem afirme que o primeiro ciclo de carga e descarga deve ser total, enquanto outros asseguram que descarregar totalmente a bateria é um procedimento não só inútil como também prejudicial. Mesmo assim, quase todos recomendam recalibrar o sensor de capacidade da bateria de tempos em tempos, o que é feito justamente mediante uma carga completa, um intervalo de duas horas, uma descarga completa, um intervalo de seis horas, e finalmente uma recarga total.Vai entender!
  • Há também aqueles que recomendam remover a bateria sempre que o portátil for operado ligado à tomada, como substituto do PC de mesa. Eu, particularmente, discordo dessa posição; primeiro, porque o risco de sobrecarga é inexpressivo (a bateria deixa de receber energia assim que atinge 100% de carga); segundo, porque, permanecendo carregada, a bateria estará pronta para entrar em ação se você precisar usar o PC em trânsito, por exemplo, ou mesmo para assumir as funções de no-break durante um apagão da rede elétrica, permitindo a finalização dos trabalhos e o encerramento adequado do Windows. Note porém que, no caso de uso intensivo do PC (como em games radicais, por exemplo), que propiciam um aquecimento anormal dos componentes internos do aparelho (acima dos 60ºC), aí, sim, é recomendável remover a bateria.
  • Sempre que possível, conecte seu carregador à tomada da parede. Deixe o acendedor de cigarros do carro ou a portinha USB para situações em que não haja alternativa, pois sua baixa amperagem faz com que a recarga demore muito mais tempo. 
Observação: Mesmo que seu PC disponha de uma interface USB 3.0, capaz de fornecer até 900 mA, a maioria dos smartphones opera com o padrão 2.0, limitado a 500 mA, razão pela qual essa opção de recarga demora bem mais do que a convencional. Para obter mais informações.

Prefira sempre carregadores originais – modelos genéricos, mesmo que com capacidade similar, podem levar um dia inteiro para alcançar o mesmo resultado proporcionado por um carregador dimensionado para seu tablet. Já os celulares e smartphones utilizam baterias menores e podem ser recarregados com dispositivos “não originais”, desde que de boa qualidade (evite os carregadores “Xing-ling” vendidos nos cruzamentos por camelôs, ambulantes e assemelhados).

Tanto os carregadores como as baterias modernas controlam o fluxo de energia de maneira inteligente, de modo que não há risco significativo de danos por sobrecarga se você deixar seu aparelho carregando durante a noite, por exemplo. No entanto, como seguro morreu de velho, o mais indicado é desconectar os cabos tão logo você receba o sinal de carga completa,

O uso e o passar do tempo vão reduzindo progressivamente a autonomia das baterias, mas como elas têm vida útil de aproximadamente 1.000 recargas (mais de cinco anos se carregadas dia sim, dia não), talvez você troque seu aparelho bem antes de precisar substituir esse componente. Caso isso não ocorra, prefira sempre produtos originais (ou compatíveis de boa qualidade) e procure adquiri-los no mercado forma, com nota fiscal e garantia.

Abraços e até amanhã.
Postar um comentário