sexta-feira, 28 de julho de 2017

POR QUE REINICIAR O COMPUTADOR? ― Conclusão.

DIGA-ME COM QUEM ANDAS E EU DIREI SE VOU CONTIGO.

Complementando o que foi explicado no post anterior, mas sem descer a detalhes técnicos que transcenderiam o escopo as possibilidades desta matéria ― e mais complicariam do que esclareceriam o assunto ―, vale dizer que:

Alguns dos principais arquivos do Windows (dentre os quais o Registro) ficam bloqueados quando o sistema está carregado, e uma vez que diversos procedimentos ― como a instalação de drivers ou as atualizações do próprio sistema operacional, apenas para ficar nos exemplos mais notórios ― precisam acessar esses arquivos, a reinicialização do computador é necessária para a validação das alterações.

Na hipótese de problemas meramente pontuais, reiniciar o aparelho é mais prático e rápido do que tentar descobrir as causas da anormalidade ― aliás, se o aborrecimento não se repetir, sua causa é irrelevante, embora erros recorrentes devam ser investigados a fundo, mas isso já outra história. 

Tanto o sistema quanto os aplicativos e arquivos que manipulamos quando operamos o computador, o smartphone, etc. são carregados na memória RAM, e mesmo que o Windows, em suas edições mais recentes e em determinadas versões, seja capaz de reconhecer e gerenciar centenas de gigabytes de memória RAM, a maioria dos PCs dispõe de algo entre 6 GB e 8 GB, e à medida que esse espaço vai sendo ocupado, a memória virtual entra em ação para evitar as aborrecidas mensagens de memória insuficiente (que eram recorrentes nas edições antigas do Windows). No entanto, a memória virtual é apenas um paliativo, e por ser baseada no disco rígido (que é muito mais lento que a RAM), ela reduz drasticamente o desempenho global do sistema. Então, para restabelecer o status quo ante, encerre os programas ociosos. Caso isso não resolva o problema, reinicie o computador, pois a RAM é volátil e os dados que armazena “evaporam” no instante em que o fornecimento energia é interrompido.

Observação: Todo programa em execução ocupa espaço na memória, mas alguns não liberam esse espaço quando são finalizados. Outros, ainda, tornam-se gulosos durante a sessão e vão se apoderando de mais e mais memória. O resultado é lentidão generalizada e, em situações extremas, travamentos, às vezes acompanhados de uma tela azul da morte. A boa notícia é que na maioria das vezes o computador volta ao normal após ser desligado e religado depois de um ou dois minutos.

Costuma-se dizer que reinicializações frequentes reduzem a vida útil do HD, o que não deixa de fazer sentido. No entanto, esse dispositivo é dimensionado para suportar milhares de ciclos liga/desliga. De modo geral, na improvável hipótese de você reiniciar sua máquina 20 vezes por dia, seu HD só deve dar os primeiros sinais de fadiga depois de uns cinco ou seis anos, ou seja, quando já estiver mais que na hora de você comprar um PC novo.

Observação: Ainda que deixar o computador em standby ou em hibernação seja vantajoso em determinadas circunstâncias, até porque a máquina "desperta" mais rapidamente do quando é religada depois de um desligamento total, prolongar uma sessão do Windows por dias a fio (mesmo que ela seja seccionada por suspensões e/ou hibernações) resultará fatalmente em lentidão ou instabilidades que acabarão levando a um crash total. Portanto, não se acanhe em reiniciar a máquina ao menor sinal de problemas iminentes.

Conforme foi dito em outras postagens, DLL é a sigla de Dynamic Link Library e remete a uma solução (desenvolvida pela Microsoft) mediante a qual as principais funções usadas pelos aplicativos são armazenadas em "bibliotecas" pré-compiladas e compartilhadas pelos executáveis. Assim, quando um programa é encerrado, os arquivos DLL que ele utilizou permanecem carregados na memória, dada a possibilidade de esse mesmo aplicativo voltar a ser aberto ou de o usuário executar outros programas que compartilham as mesmas bibliotecas. Mas isso acarreta um desperdício significativo de RAM e, consequentemente, aumenta o uso do swap-file (arquivo de troca da memória virtual). Como a RAM é volátil, a reinicialização “limpa” os chips de memória, fazendo com que o sistema ressurja lépido e fagueiro (ou nem tanto, dependendo do tempo de uso e da regularidade com que o usuário executa os indispensáveis procedimentos de manutenção).

Observação: Reiniciar um aparelho consiste basicamente em desligá-lo e tornar a ligá-lo logo em seguida. O termo reinicializar não significa exatamente a mesma coisa, mas o uso consagra a regra e eu não pretendo encompridar este texto discutindo questões semânticas. Interessa dizer é que desligar o computador interrompe o fornecimento da energia que alimenta os circuitos e capacitores da placa-mãe e demais componentes, propiciando o "esvaziamento" das memórias voláteis. Já quando recorremos à opção "Reiniciar" do menu de desligamento do Windows, o intervalo entre o encerramento do sistema e o boot subsequente pode não ser suficiente para o esgotamento total das reservas de energia, razão pela qual, para não errar, desligue o computador e torne a ligá-lo depois de alguns minutos sempre que uma reinicialização se fizer necessária.

O que foi dito nesta sequência de postagens se aplica ao PC, mas, resguardadas as devidas proporções, vale também para smartphones, tablets e outros dispositivos eletroeletrônicos comandados por um sistema operativo, por mais simples que ele seja.

TEMER, O INCANSÁVEL TRABALHADOR

Desde maio do ano passado, quando assumiu o timão da nau dos insensatos, Michel Temer nunca trabalhou tanto como nas últimas semanas. Pena que esse afã não visasse aos interesses da nação, mas apenas a evitar a abertura do inquérito no supremo que pode torná-lo mais um candidato a hóspede do sistema penitenciário tupiniquim com escala no gabinete mais cobiçado do Palácio do Planalto. Afinal, Lula já está bem encaminhado nessa direção, Dilma deve segui-lo em breve e os atuais presidentes da Câmara e do Senado não tardam a seguir pela mesma trilha, já que ambos são investigados na Lava-Jato e ainda não se tornaram réus porque, no STF, as denúncias avançam a passo de cágado perneta.

E o pior é que, no Supremo, as coisas se arrastam mesmo depois da condenação. Prova disso é o fato de Paulo Maluf continuar livre, leve e solto, a despeito de ter sido condenado pela 1ª Turma a 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão por lavagem de dinheiro (com início da pena em regime fechado), além de pagamento de multa e perda do mandato de deputado federal. A decisão foi proferida em maio, mas até agora não surtiu qualquer efeito.

Talvez os ministros estejam confiantes de que Maluf seja preso pela Interpol ― vale lembrar que a Corte de Apelações de Paris condenou o conspícuo deputado a três anos de prisão e pagamento de multa de 200 mil euros, além de determinar o confisco de 1,84 milhão de euros. Sua esposa, Silvia Lutfalla Maluf, também foi condenada a três anos, com multa de 100 mil euros. Mas para isso o turco lalau terá de sair do país, já que o Brasil não extradita seus cidadãos. Muito conveniente, né?

Voltando a Michel ma belle: para comprar o voto das marafonas do parlamento, que se vendem como prostitutas em bordéis da boca-do-luxo, somente neste mês o presidente liberou cerca de R$ 2 bilhões em emendas (valor equivalente ao total de todo o primeiro semestre). Isso quando a previsão é de que as contas públicas fechem o ano com um rombo de R$ 140 bilhões ― ou um pouco menos, já que, para fazer caixa, sua insolência resolveu se espelhar em sua abilolada antecessora e tascar um tarifaço de impostos nos combustíveisA liminar do juiz federal Renato Borelli, que anulava o aumento, já foi derrubada pelo desembargador Hilton Queiroz, presidente do TRF1. Cabe recurso, naturalmente, mas aí a decisão final fica sabe lá Deus para quando, e mesmo que a medida presidencial seja cassada, o governo certamente encontrará maneiras de escorchar o contribuinte e forçá-lo a pagar a conta de sua incompetência, até porque, pelo visto, cortar gastos está fora de cogitação.

Da sociedade, Temer e seus comparsas esperam boa vontade, solidariedade e compreensão. Faz sentido: se o cidadão já é assaltado por bandidos cotidianamente, por que não ser assaltado também por um Estado inchado, ineficiente e incapaz?

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/
Postar um comentário