terça-feira, 22 de agosto de 2017

20 (?!) ANOS DE NETFLIX

BANDIDO BURRO VAI PRESO, BANDIDO ESPERTO VIRA POLÍTICO!

videocassete trouxe o “cinema” para dentro de casa. No início, lá por meados dos anos 80, para assistir a uma fita era preciso alugar também o hardware, mas o preço dos VCRs não demorou a cair, tornando a locação de vídeos um ótimo negócio ―  tanto para o consumidor quanto para as locadoras, que passaram a se reproduzir como coelhos. Isso sem mencionar as “produções caseiras, que também se popularizaram depois que o preço das filmadoras se tornou mais ou menos palatável.

Mas não há mal que sempre dure nem bem que nunca termine: com a concorrência das operadoras de TV por assinatura e a popularização da banda-larga ― que facilitou a proliferação dos DVDs pirateados vendidos nos camelódromos por preços inferiores ao aluguel da cópia selada ― e, mais recentemente, o streaming de vídeo, as locadoras foram varridas do mapa (mesmo as grandes redes, como a Blockbuster, que chegou a ter 9.000 lojas espalhadas pelo mundo).

O streaming é uma tecnologia de transmissão áudio e vídeo através de redes de computadores que dispensa os infindáveis downloads ― o conteúdo é transmitido e exibido simultaneamente na tela do computador, tablet, smartphone ou TV do interessado, que pode não só escolher o dia e o horário para assistir à exibição, mas também retroceder, avançar, interromper e retomar a reprodução com a mesma facilidade oferecida pelos VCRs e DVD Players.

O serviço de streaming mais popular é o da Netflix (são três opções de assinatura, com mensalidades de $19,90, R$27,90 e R$ 37,90), que oferece mais de 4.000 títulos entre filmes e seriados (segundo levantamento feito pelo Blog Filmes Netflix, já que a empresa não disponibiliza esses dados). Outros serviços similares são oferecidos pelas plataformas Amazon, Crackle, etc., mas isso não vem ao caso para os propósitos desta abordagem. O que vem ao caso ― e que muita gente não sabe ― é que, embora Netflix tenha desembarcado em terras tupiniquins em 2011, a empresa iniciou suas operações em 1997... como uma locadora online que entregava DVDs pelo correio na residência de seus clientes.

Na próxima eu conto o resto. Até lá.

OAB PEDE AO STF QUE RODRIGO MAIA ANALISE PEDIDO DE IMPEACHMENT

A OAB pediu ontem ao Supremo, via mandado de segurança, o desengavetamento dos 26 pedidos de impeachment apresentados contra o presidente Michel Temer, sob a alegação de que o presidente da Câmara praticou desvio de função e omissão ao se negar a analisar as requisições, que dormitam sobre sua mesa há mais de oitenta dias.

Oito dias depois que as gravações feitas pelo empresário Joesley Batista vieram a público, a Ordem protocolou um pedido de impeachment contra Temer por crime de responsabilidade. De acordo com a entidade, Maia praticou desvio de finalidade ao violar os direitos dos cidadãos que, em consonância com o que prevê a Constituição, elaboraram denúncias contra o presidente, além de ter atentado contra os direitos de seus pares na Câmara, que ficaram impedidos de analisar o mérito dos processos, e contra o princípio republicano, uma vez que blindou autoridades de ser investigadas.

Para o presidente da OAB, o advogado Claudio Pacheco Prates Lamachia, o deferimento do mandado de segurança é uma “medida de justiça”, já que o atraso de Maia implica em “flagrante prejuízo à sociedade”. “A mais danosa mensagem que o Poder Legislativo pode transmitir aos cidadãos e à comunidade internacional é o vácuo decisório, por perpetuar a situação de instabilidade institucional, quebra da transparência e enfraquecimento do pacto republicano firmado pelos brasileiros na Constituição de 1988”, disse Lamachia.

Antes da votação da denúncia da PGR contra o presidente da República, Lamachia afirmou que Maia teria de “cumprir seu papel” de apreciar o pedido de impeachment protocolado pela Ordem, independentemente das denúncias que venham a ser apresentadas pelo Ministério Público Federal.

Maia já havia sido alvo de um mandado de segurança impetrado pelos deputados federais Alessandro Molon e Aliel Machado, da Rede, Henrique Fontana, do PT, e Júlio Delgado, do PSB. O ministro Alexandre de Moraes já colheu os esclarecimentos do presidente da Câmara no processo, mas ainda não tomou uma decisão sobre o mandado.

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

COMO EVITAR GOLPES ONLINE ― FINAL

O CACHORRO É O MELHOR AMIGO DO HOMEM PORQUE NÃO CONHECE O DINHEIRO.

Para concluir esta sequência sobre segurança, mais algumas dicas:

Ao receber um link por email, mensagem instantânea ou rede social, pouse o ponteiro do mouse sobre ele ― via de regra, isso faz com que o caminho completo seja exibido. Se você reconhecer o domínio do seu banco, por exemplo, pode ser que a mensagem seja legítima. Mesmo assim, não deixe de fazer pesquisa no Google, mas preste muita atenção, pois as páginas falsas podem ser bem parecidas com as verdadeiras.

Se o logo do banco e/ou as indicações de seus serviços aparecerem no meio de uma página branca, por exemplo, ou “boiando” no meio de uma borda que tenta imitar a cor usada no site verdadeiro, pode ter certeza de que o troço é mesmo falso ― ou seja, o cibervigarista explorou uma vulnerabilidade do SQL e dos serviços do ISS para fazer com que o endereço da homepage do banco aponte para a página falsa (o pior é que isso pode ser feito de maneira surpreendentemente simples). 

Se o nome que aparece no e-mail é o nome verdadeiro da instituição ou domínio que ela utiliza, copie o link suspeito na barra de outro navegador (Firefox, Opera, etc.) e atente para o endereço exibido no pé da página. Se não bater, é maracutaia.

Desconfie de links terminados em .exe ou .bat (extensões que designam arquivos executáveis ou programas que podem fazer downloads muito rápidos e infectar sua máquina com trojans ou keyloggers). Para tirar a limpo, copie o URL da página na caixa de pesquisa do Google, faça o download do arquivo ― mas não o abra ―  e cheque-o com seu antivírus. Se nada for detectado, repita a verificação com o VIRUSTOTAL ou o URLVOID, que checam os endereços com diversos serviços ao mesmo tempo.

ObservaçãoSe você usa o Mozilla Firefox, uma boa ideia é instalar as extensões Long URL please ― que substitui a maior parte dos URLs encurtados pelos originais, facilitando a identificação do destino ― e o URL Tollpit ― que mostra o destino do link quando o ponteiro do mouse é pousado sobre ele.  
Os links encurtados ― muito populares entre usuários do Twitter ― se popularizaram também em BlogsWebpages e até na mídia impressa (como sabem que lê as publicações da Editora Abril, por exemplo). O problema é que, depois de abreviados (http://zip.net/bntFJp, por exemplo), eles não oferecem nenhum indício que permita identificar seu endereço “real”. Em casos assim, vale recorrer ao SUCURI, que checa a segurança tanto em links encurtados quanto normais.

Observação: Para checar os links com os serviços sugeridos linhas acima, é preciso informar o URL suspeito no campo de buscas do site. Como é mais fácil copiar do que digitar o endereço, caractere por caractere, é preciso tomar cuidado para não abrir o link por descuido. Para evitar, dê um clique direito sobre o link em questão e, no menu suspenso, escolha a opção Copiar atalhoCopiar Link ou Copiar endereço do link (o nome varia conforme o navegador). Em seguida, posicione o ponteiro do mouse dentro da caixa de busca, dê outro clique direito e selecione a opção Colar (ou simplesmente pressione o atalho Ctrl+V).

Sites como ExpandMyURLKnowurl LongUrl convertem links encurtados em convencionais e, em alguns casos, informam também se a página é segura. Dependendo do serviço usado no encurtamento do link, você pode obter mais informações introduzindo o URL reduzido na barra de endereços do navegadoracrescentando um sinal de adição (+) e teclando Enter.

Boa sorte.

SIMPLES ASSIM

O Brasil está falido porque o governo gasta mais do que arrecada. Qualquer dona de casa sabe que as despesas domésticas não podem superar a renda da família. O governo, não. A expectativa era de fechar 2017 com um déficit de R$ 139 bilhões. Como a arrecadação ficou abaixo, o governo, em vez de cortar gastos, simplesmente elevou a meta fiscal para escandalosos R$ 159 bi. A conta das despesas deveria ser de subtração, mas virou multiplicação. Seria o mesmo que a nossa dona de casa, em vez de apertar o cinto ao constatar que iria sobrar mês no fim do salário, negociasse um aumento nos limites do cartão de crédito e do cheque especial. Simples assim.

O rombo fiscal não foi criado por Michel Temer. Ele é fruto da incompetência administrativa da gerentona de festim. Mas o governo Temer nada mais é do que o terceiro tempo do governo Dilma, e os ratos continuam roendo, os corruptores corrompendo, os corruptos se locupletando e a máquina pública gastando à larga para sustentar um Estado incompetente, perdulário e corrupto. Simples assim.

No Rio de Janeiro, há 200 mil servidores vivendo da caridade de parentes ou morrendo por não ter como comprar medicamentos ou receber atendimento médico. Na UERJ, a penúria é tanta que se estende ao refeitório e aos banheiros. Professores e alunos, sem aula e sem perspectiva, assistem estupefatos o governador Pezão ― que não pagou o 13º salário de 2016 e nem os salários e aposentadorias de maio, junho por falta de recursos ― torrar R$ 2,5 milhões no aluguel de um jatinho para “ter mais conforto” ao viajar com sua equipe. O Rio é apenas mais um exemplo de um sistema político falido. No âmbito federal, o Planalto liberou R$ 5,7 bilhões para emendas de parlamentares em troca da fidelidade a um presidente sem autoridade moral para colocar o país nos trilhos. Simples assim.

Na terça-feira retrasada, o Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo registrou R$ 1,3 trilhão em tributos pagos pelos brasileiros. A marca foi alcançada 22 dias mais cedo que em 2016, demonstrando que arrecadação acelerou de um ano para outro ― ou, em outras palavras, que o rombo no bolso dos consumidores ficou maior. Um trilhão de reais é dinheiro pra burro. Aliás, o Brasil tem a maior carga tributária em toda América Latina ― proporcionalmente, o montante é mais de 50% superior à média da região. O problema é que aqui se rouba muito, e o pouco dinheiro que escapa é usado para bancar mordomias absurdas.

De acordo com a ONG Contas Abertas, o Poder Legislativo ― isto é, a Câmara Federal e o Senado ― custa aos brasileiros R$ 1,16 milhão por hora, 24 horas por dia, 365 dias por ano ― aí incluídos os finais de semana, recessos parlamentares e as segundas e sextas-feiras, embora os parlamentares trabalhem somente de terça a quinta. Cada parlamentar recebe um salário bruto de R$ 33,7 mil. Os 513 deputados federais custam, em média, R$ 86 milhões ao mês, o que representa um custo anual de R$ 1 bilhão. E ainda contam com uma porção de mordomias, como o direito a uma penca de assessores ― um senador pode ter 50, 60 apaniguados, inclusive no seu próprio escritório de representação. E o que fazem nossos “caros” representantes quando o presidente da República é denunciado por corrupção? Vendem seus votos descaradamente, como prostitutas que comercializam o corpo nas zonas de baixo meretrício. E o que fazem na hora de votar as tão necessárias reformas? Cuidam de seus próprios interesses, buscando maneiras de obstruir as investigações da Lava-Jato, de aprovar leis que os favoreçam na renegociação de dívidas ― como no caso vergonhoso do REFIS, que virou palco de disputas políticas por um perdão de R$ 220 bilhões. Simples assim.

Observação: Deputados e senadores que integram a “bancada do Refis” devem cerca de R$ 3 bilhões à União, como revelou a Folha em abril. Liderado pelo deputado peemedebista Newton Cardoso Jr, o bando pôs em xeque o Ministério da Fazenda no último dia 9. O senador Fernando Coelho Bezerra foi o porta-voz da bancada, que entregou uma lista com seis “prioridades inegociáveis”, a fatura a ser paga em troca de 54 votos contrários à admissibilidade da denúncia contra Michel TemerR$ 13,8 bilhões, em 2017. A bancada quer manter a ampliação do limite de R$ 15 milhões para R$ 150 milhões em dívidas que permitem uma entrada menor (5%) no ato da adesão (emenda apresentada por um deputado que tem dívidas de R$ 53 milhões), a manutenção de descontos de juros e mora (chegam a 99% em alguns casos), a permissão para que devedores que respondem a processos criminais por questões tributárias possam ser contemplados pelo programa e que devedores excluídos de Refis anteriores por pagamentos irrisórios sejam reinseridos no novo programa. Simples assim.

A divergência de opiniões entre o núcleo político e a equipe econômica aniquilou o maior trunfo do atual governo ― o time de especialistas supostamente descolado dos tradicionais hábitos brasilienses. O desgaste pessoal de Henrique Meirelles começou a se acentuar ainda na fase de resistência à ampliação oficial do rombo ― ao anunciar o aumento dos impostos sobre combustíveis, ele quebrou um pacto não escrito com seus principais eixos de sustentação, o empresariado e o mercado financeiro. E o Planalto agravou o problema ao abrir o pacote de bondades que construiu sua ponte para a sobrevivência. Até quem não considera a revisão da meta um desastre, caso de Raul Velloso, especialista em contas públicas, faz a conexão: “Emendas são gastos obrigatórios em que não se consegue mexer. Mas acreditar que o governo de plantão não vai usar o orçamento em benefício próprio é muita ingenuidade. Seria suicídio. E a última coisa que esse governo é, é suicida”. Simples assim!

O rombo da meta moral é a outra face dessa mesma moeda. O déficit dos políticos com a população cresceu astronomicamente após as duas votações ― na CCJ e no plenário da Câmara ― da denúncia contra Michel Temer. Todos sabiam ― ou deveriam saber, ainda que alguns deputados não passem de ilustres imbecis ― que não lhes cabia condenar ou absolver o presidente, mas autorizar o Supremo a investigá-lo. Mesmo assim, resolveram mandar às favas a opinião pública ― 81% da população querem que Temer seja investigado ―, ignorar o maior escândalo de corrupção já surgido contra um presidente da República no exercício do cargo e impedir o curso da Justiça, talvez por medo da sentença do Supremo e também para salvar o próprio rabo.

A sociedade não se esquecerá de que partidos e parlamentares da situação e da oposição barraram uma investigação legítima e necessária. O próprio Temer, no atordoado pronunciamento que fez à nação depois que sua conversa de alcova com o moedor de carne bilionário veio a público, disse que ansiava pelo inquérito no STF, pois seria o território onde surgiriam as provas de sua inocência. Mas sua insolência mudou de ideia e optou pelo caminho mais fácil ― mais fácil ainda porque quem paga a fatura, como sempre, é o contribuinte. Simples assim.

Haveria muito mais a dizer, mas o tempo é curto e a paciência do leitor tem limites. Particularmente, se pudesse, eu muraria o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e a Esplanada dos Ministérios, encheria d’água como uma banheira monumental e jogaria dentro dela centenas de secadores de cabelo ligados numa rede de 220v. Simples assim. 

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

domingo, 20 de agosto de 2017

AINDA SOBRE A SENADORA GLEISI HOFFMAN


 No momento em que eu concluía o post anterior, sobre o comportamento estapafúrdio da senadora petralha e presidente da agremiação criminosa travestida de partido político conhecida como PT, recebi a notícia de que a dita-cuja deve prestar depoimento à 2ª Turma do STF dentro de alguns dias.

Além de Gleisi, também são réus nesse processo o ex-ministro Paulo Bernardo, seu marido, e o empresário Ernesto Kugler. Eles são acusados receber R$ 1 milhão do esquema de corrupção na Petrobras para a campanha da admiradora inconteste de Nicolás Maduro ao Senado, em 2010. Segundo a acusação, Bernardo fazia pedidos a Paulo Roberto Costa, Kugler teria recebido a propina, por meio de quatro entregas, cada uma de R$ 250 mil, e todos tinham plena ciência da origem do dinheiro recebido.

Esse será o primeiro depoimento de réus em processos oriundos da Lava-Jato que tramitam no Supremo. A denúncia foi aceita por unanimidade pela 2ª Turma do STF em setembro de 2016, e o ministro Edson Fachin já ouviu todas as testemunhas de acusação e defesa indicadas na ação penal, que só foi aberta em fevereiro deste ano, após os embargos de declaração apresentados pela defesa de Gleisi serem rejeitados pelos ministros.

Gleisi e Bernardo serão ouvidos no próximo dia 28. Conforme o regimento da Corte, após os réus serem ouvidos, a PGR e a defesa terão cinco dias para pedir investigações complementares. Fachin, então, deverá decidir se as aceita ou não. Vencidas essas etapas, o relator pedirá que as partes apresentem suas alegações em 15 dias e poderá ordenar novas diligências. Por fim, fará o relatório e o encaminhará ao ministro-revisor, Celso de Mello, que pedirá data para julgamento na 2ª Turma da Corte. Não há prazo para o julgamento, mas acredita-se que a sentença deve sair até o final do ano.

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

sábado, 19 de agosto de 2017

GLEISI HOFFMANN E A CEGUEIRA MENTAL DA MILITÂNCIA SINISTRA


De acordo com José Saramago, Nobel de Literatura em 1998, “a cegueira é um assunto particular entre as pessoas e os olhos com que nasceram; não há nada que se possa fazer a respeito”.

Trata-se de uma alusão a um tipo de cegueira mental, na qual o escritor português joga com a diferença entre as palavras ver e olhar. O olhar aparece como a própria visão, o ato de enxergar, ao passo que o ver aparece como a capacidade de observar, de analisar uma situação. Para ele, a dificuldade em conseguir enxergar além do superficial pode ser encarada como a alienação do homem em relação a si mesmo.

Dito isso, passemos a Gleisi Hoffmann ― codinome “coxa” na planilha de propinas da Odebrecht. Ícone do panteão petista, a lourinha vermelha se tornou ré por ter recebido R$ 1 milhão em propina para sua campanha em 2010, e é investigada por corrupção passiva e lavagem de dinheiro (segundo a PF, ela recebeu R$ 4 milhões em propina da Odebrecht, em 2014, disfarçada de doação eleitoral). No entanto, esse currículo exemplar não impediu sua escolha para substituir o insosso Rui Goethe da Costa Falcão na presidência do PT. Antes pelo contrário: ninguém melhor do que um criminoso para comandar uma quadrilha. Demais disso, o exemplo vem de cima: o eterno presidente de honra do PT e principal articulador da promoção de Gleisi foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão no processo que envolve o notório triplex no Guarujá e é investigado em mais cinco ações penais, duas das quais sob a pena do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Gleisi fez por merecer o posto. Durante o impeachment de Dilma, ela liderou a tropa de choque da imprestável, e após o desfecho norteou sua atividade parlamentar pela política do quanto pior melhor, além de vir promovendo uma oposição inconsequente que em nada contribui para o avanço do país. Semanas atrás, por orientação do ex-guerrilheiro de araque e ora presidiário José Dirceu e do mui suspeito presidente da CUT, ela e mais quatro “companheiras de ideologia” ocuparam por mais de 6 horas a mesa diretora do Senado, como forma de obstruir a votação da reforma trabalhista (que acabou sendo aprovada mesmo assim). Para um país que mal superou o trauma de ter como primeira presidente mulher uma besta teleguiada pelo padrinho, esse protesto feminista com controle remoto masculino foi algo lamentável.

Ao assumir a presidência do partido, Gleisi declarou que o PT não faria autocrítica de seus atos escabrosos para não fortalecer o discurso dos adversários: “não somos organização religiosa, não fazemos profissão de culpa, tampouco nos açoitamos. Não vamos ficar enumerando nossos erros para que a direita e a burguesia explorem nossa imagem”. Demais disso, vem enaltecendo a ditadura venezuelana. Ao abrir o 23º encontro do Foro de São Paulo, na Nicarágua, a senadora prestou solidariedade ao PSUV ― vítima, segundo o PT, de violenta ofensiva da direita pelo poder na Venezuela. “Temos a expectativa de que a Assembleia Constituinte possa contribuir para uma consolidação cada vez maior da revolução bolivariana e que as divergência políticas se resolvam de forma pacífica”, disse a desqualificada, a despeito de aquele país amargar a segunda maior taxa de homicídios do mundo, conviver com uma taxa de inflação de 2.200% e um índice de desnutrição infantil que já alcança 20% das crianças com menos de 5 anos, além de contabilizar mais de 100 mortos na “quase guerra civil” em que se encontra já há algumas semanas. E Gleisi, com a cara mais deslavada do mundo, atribui as denúncias contra o governo de Nicolás Maduro a uma campanha da CIA e da “imprensa golpista”.

O que mais me causa espécie é a “valorosa militância vermelha” continuar endeusando líderes imprestáveis e apoiando incondicionalmente gente da pior espécie. Talvez a tal cegueira mental impeça essa gente de ver o que salta aos olhos das pessoas normais. Por que, então, Gleisi não faz a trouxa, pega sua turma e se muda para a Venezuela ou para Cuba? Ou será que ela acredita mesmo que conseguir driblar eternamente a justiça escondendo-se debaixo do manto pútrido do foro privilegiado?

Vamos ver o que vai dar no próximo dia 28, quando Gleisi e o marido, o ex-ministro petralha Paulo Bernardo, deverão prestar depoimento no STF. Cadeia neles! E Lula Lá!

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

COMO EVITAR GOLPES ONLINE ― PARTE 4

O AMOR É LIVRE, MAS O SEXO É PAGO. 

Segurança absoluta é conversa fiada. Kevin Mitnick, considerado por muitos como o maior hacker de todos os tempos, dizia que “computador seguro é computador desligado” ― mas acrescentava que “um hacker competente encontraria uma maneira de levar o usuário a ligar o dispositivo para, assim, poder invadi-lo”. A rigor, o risco fica próximo de zero quando o usuário trabalha offline, mas, convenhamos: ter um PC, um tablet ou um smartphone e não acessar a internet seria o mesmo que ter uma poderosa Harley Davidson e andar com ela apenas no quintal de casa.

Antivírus, firewall e antispyware não são uma muralha intransponível, apenas a melhor solução de que dispomos para montar um arsenal de defesa. Claro que esses apps devem ser adequadamente configurados e regularmente atualizados, sem mencionar que é fundamental prestar atenção às mensagens que eles exibem ― daí ser recomendável usar programas com interface em português ou outro idioma que você compreenda, já que clicar em Yes quando se deve clicar em No pode pôr tudo a perder.

Boas suítes de segurança oferecem proteção proativa e se encarregam de baixar e instalar atualizações e realizar varreduras automaticamente, mas isso não desobriga o usuário precavido de obter uma segunda (ou terceira, ou quarta) opinião com um serviço de varredura online, como o Security Scanner (da Microsoft), o ESET Online Scanner, o House Call Free Online Virus Scan (da TrendMicro) e o Norton Security Scan (da Symantec). Todos são eficientes e gratuitos, mas tenha em mente que são serviços online e, portanto, não oferecem proteção em tempo real. Portanto, manter um antivírus residente, ativo, operante e devidamente atualizado continua sendo fundamental.

Igualmente importante é seguir as velhas e batidas regrinhas de segurança que eu venho repetindo desde sempre ― tais como tomar com anexos de email, links recebidos via correio eletrônico, programas mensageiros, redes sociais e por aí afora (mais detalhes no segundo capítulo desta sequência). Vale lembrar que instituições financeiras, operadoras de cartões de crédito e órgãos como Serasa, Receita Federal, Justiça Eleitoral e que tais não enviam emails informando que seu CPF será negativado ou que seu título de eleitor será cancelado, por exemplo. Mas os cibercriminosos criam mensagens de phishing scam que se aproveitam da credibilidade desses órgãos para ludibriar os incautos. Portanto é preciso ficar esperto.

Via de regra, a recomendação é deletar essas mensagens sem pensar duas vezes. Todavia, se o assunto for mesmo relevante, fale com seu gerente de conta (pessoalmente ou por telefone) ou fale (por telefone) com o órgão supostamente responsável pelo comunicado, mas jamais ligue para o número informado na mensagem, caso exista.

Concluímos na próxima postagem. Até lá.

FARRA NO CÉU

No País que enfrenta o maior déficit público de sua história, deputados federais gastaram R$ 1.457 milhão com fretamento de aeronaves particulares no primeiro semestre deste ano. Mesmo durante o recesso a turma refestelou-se. O saporil que tatuou sua paixão por Temer no ombro, por exemplo, torrou R$ 17 mil em janeiro. O amazonense Átila Lins e o paranaense Fernando Giacobo (que já ganhou 12 vezes na Loteria Esportiva) lideram a lista do período, com R$ 160 mil cada um.

MALUF NA CADEIA?

Terminou dia 23 de julho o prazo para publicação do acórdão do STF que condenou Paulo Maluf a 7 anos e 9 meses de prisão por lavagem de dinheiro. Sabe-se lá por que, até agora isso não aconteceu. Vencida essa etapa, só restarão os chamados preso para tentar impedir que o deputado seja engaiolado. Como a sentença foi unânime, é mínima a chance de sucesso da defesa, ainda que a cargo do experiente advogado Antonio Carlos de Almeida Castro.

Com Ricardo Boechat

E como hoje é sexta-feira, vamos a mais uma dose dupla de humor (negro) petista:




Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

COMO EVITAR GOLPES ONLINE ― PARTE 3

PORQUE ÉS MORNO, E NÃO QUENTE NEM FRIO, VOMITAR-TE-EI!

O Spam nada mais é que a versão digital da velha mala-direta e o Scam, sua variação mal-intencionada. O primeiro, geralmente de cunho publicitário, é inofensivo, mas seu clone “do mal” é dissimulado e perigoso ― e o fato de ser dissimulado o torna ainda mais perigoso, pois não existe software de segurança capaz de proteger o usuário de si mesmo.

Manter o computador atualizado é fundamental. Muitos códigos maliciosos se aproveitam de falhas de segurança no sistema e nos aplicativos, daí a importância de aplicar as correções disponibilizadas regularmente pela Microsoft, bem como atualizar os aplicativos de terceiros. Para saber mais sobre as “atualizações automáticas” do Windows, clique aqui; para atualizar facilmente seus apps “não-Microsoft”, use o UPDATE CHECKER  ou o OUTDATEFIGHTER.

Mesmo que não seja garantia de invulnerabilidade, uma suíte de segurança ativa e atualizada ajuda um bocado. Quem não quer ou não pode investir numa suíte ― tipo Internet Security ― comercial tem a opção de “montar” seu arsenal de defesa com antivírus, firewall e antispyware gratuitos, ainda que de fabricantes diferentes. Mas é bom ter em mente que essa solução propicia conflitos entre os apps, e como existem diversas opções de suítes gratuitas, é melhor escolher uma delas.

O Avira Free Antivirus é uma boa opção gratuita, pois oferece proteção abrangente contra a maioria das ameaças e conta com o Protection Cloud ― que não só provê proteção em tempo real contra ameaças zero day, mas também identifica malwares contra os quais ainda não existe vacina. Mesmo assim, não deixe de conferir (nesta página) os recursos adicionais que são oferecidos pelas opções pagas do Avira. O Avast Free Antivirus também é gratuito e igualmente eficiente, mas não deixe de visitar o site da Avast para conferir as soluções pagas que o fabricante oferece. Os preços são palatáveis, o pagamento pode ser parcelado, e você ainda escolhe se quer licenciar o produto por 1 ou 2 anos, contratar a renovação automática e/ou estender a proteção para outro PC, smartphone ou tablet.

Continuamos na próxima postagem.


TUTTI BUONA GENTE

O escritor e cronista Mentor Neto publicou um texto imperdível em sua coluna na edição 2487 da Revista IstoÉ. Segue uma versão abreviada:

Breno Borges foi flagrado pela polícia com 129 kg de maconha, armamento de uso exclusivo do Exército e munições. Preso em flagrante, o moço estaria bem encrencado se não fosse filho da desembargadora Tânia Borges, presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul: a magistrada decidiu que seu pimpolho não poderia ser preso porque, coitado, sofre da Síndrome Borderline ― ou, conforme consta do processo, possui “desvio dos padrões de comportamento”. Desvio bravo, desses que levam 129 kg de maconha e fuzis no carro.

Bruno Borges é outro filho da mesma desembargadora. Advogado, defende a namorada do irmão, que se encrencou no mesmo flagrante. Em 2005, ele foi preso por assalto à mão armada em Campo Grande. Não ficou nem um dia na cadeia. Enquanto seu comparsa foi enviado ao presídio, a desembargadora-mãe interviu, e o pimpolho foi internado numa clínica psiquiátrica.

O forte dessa jurista não é manter seus filhos dentro da lei, mas mantê-los fora da cadeia. Bonito a gente ver uma mãe tão dedicada. O Conselho Nacional de Justiça (finalmente) abriu uma investigação contra três desembargadores do Mato Grosso do Sul, dentre os quais está a desembargadora Tânia Borges. Quem sabe, né? ― dirá você, entoando este mantra que vimos repetindo há pelo menos dois anos. Quem sabe isso, quem sabe aquilo.

Esse caso é um retrato do Brasil de hoje. Nós permitimos que a falta de ética extrapolasse as cuecas, as salas das repartições públicas e invadisse as salas de jantar e os almoços de domingo dessa gente. A safadeza “capilarizou” de tal forma que saiu da camada dos responsáveis diretos e contaminou seus parentes. Veja o exemplo (grotesco) do senador Aécio Neves, que está de volta à sua atuação política belo e formoso, enquanto a irmã e o primo usam tornozeleira. Pai, filho, irmão, primo, tio. Família lembra Máfia, e, sem que nos déssemos conta, nosso país foi, aos poucos, dominado por pequenas “famiglias” de corruptos. Alguns exemplos: O casal Sérgio Cabral e senhora. O ministro [do STF] Luiz Fux, que encaixou a filha como desembargadora numa sabatina relâmpago. O ex-ministro [de Michel Temer] Geddel Vieira Lima, que pensou no conforto da famiglia quando quis garantir o apartamento em área de preservação histórica. A famiglia Garotinho e Rosinha, de triste lembrança. E como falar em famiglia sem lembrar da mais famosa do Brasil, unidos na praia e no sítio ― o pai, orgulhoso, diz que Lulinha “é um fenômeno”.

É bonito ver que essa gente passa a mão no seu e no meu dinheiro, mas que o Sagrado Núcleo Familiar continua sempre preservado.

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

COMO EVITAR GOLPES ONLINE ― CONTINUAÇÃO

A FORCA É O MAIS DESAGRADÁVEL DOS INSTRUMENTOS DE CORDA.

Os golpes online nada mais são do que a adaptação da velha vigarice ao universo digital. No entanto, em vez de armar sua mesinha numa praça e “depenar os patos” com o jogo das tampinhas, o cibervigarista “trabalha” em casa ou em qualquer lugar onde haja uma rede Wi-Fi que lhe permita enviar emails em ou mensagens instantâneas com anexos e links maliciosos a centenas ou milhares de destinatários.

Colocando a coisa em outras palavras: a evolução tecnológica permite que o velho 171 seja aplicado remotamente e o anzol, lançado simultaneamente para um sem-número de vítimas potenciais, que por ingenuidade ou cobiça acabam mordendo a isca.

Como é sempre mais fácil pegar moscas com mel do que com vinagre ― já que ninguém é trouxa a ponto de abrir um anexo de email ou clicar num link qualquer se a maracutaia for evidente ―, a bandidagem digital se vale dos mais variados artifícios, e criatividade não lhe falta. Para dourar a pílula, ou seja, tornar a isca atrativa, os crackers recorrem à engenharia social, mas, se a embalagem varia, o conteúdo e o propósito são sempre os mesmos: lesar os incautos em benefício próprio através dos mais variados engodos, e assim capturar dados de login, senhas, números de cartões de crédito e de documentos, enfim tudo lhes que sirva para “depenar o pato”.

De mensagens de email com anexos ou links que prometem exibir “fotos reveladores de artistas famosos” às “ indefectíveis correntes do bem”, dos cartões virtuais e vales-presente a apelos comoventes e pedidos de ajuda para salvar crianças doentes, vale tudo para ilaquear a boa-fé dos incautos. Via de regra, o perigo está nos anexos e/ou nos links clicáveis ― que, uma vez abertos ou seguidos, instalam “na surdina” toda sorte de programinhas espiões (spywares) que monitoram as atividades da vítima, colhem informações pessoais/confidenciais e as enviam para o vigarista. Note, porém, que esses códigos nocivos também podem vir travestidos de aplicativos úteis ou apensados a freewares legítimos, como é o caso dos PUPs (sigla em inglês para programas potencialmente indesejados).

Mesmo que você não abra anexos transportados por emails de origem desconhecida e não siga links que prometem mundos e fundos, sempre existe o risco de cair numa página legitima “sequestrada” por cibercriminosos. Em suma: como dizia Kevin Mitnick ― o “maior hacker de todos os tempos” ―, computador seguro é computador desligado.

Amanhã a gente continua. Até lá, curta esse clipe:



Se o vídeo não abrir, acesse https://youtu.be/iHmSjrCFfcE

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/